Espaços do feminino e geografias urbanas nos contos de Alice Munro

Ana Maria Marques da Costa Pereira Lopes, Anabela Oliveira da Naia Sardo, Fátima Susana Mota Roboredo Amante, Susana Soares da Silva Rocha Relvas

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapterpeer-review

27 Downloads

Abstract

Considerada “mestre do conto contemporâneo”, a canadiana Alice Munro, galardoada com inúmeros prémios, incluindo o Nobel da Literatura em 2013, explora nos seus contos o universo feminino, jovens e mulheres que habitam os arredores de Ontário ou o Lago Huron. Este estudo visa analisar nos contos “Comboio”, “Fugida” e “Miles City, Montana”, os diferentes espaços, físicos ou psicológicos, onde se movem as personagens femininas, entre a cidade e o campo, e de que modo estes espaços as moldam, limitam ou transcendem. Parte-se das teorias elaboradas por Marc Augé (2012) e de Michel Foucault (1994), de forma a decifrar em que medida os não lugares, tal como os definiu Augé, se podem subitamente revelar espaços outros/heterotópicos, como os designa Foucault. Não menos importante para a análise do percurso espacial das personagens se assume a obra de Yi Fu-Tuan (1977), onde os conceitos de topofilia e topofobia são dilucidados de forma clara. Last but not least, interessa perceber de que forma as noções de topofilia e topofobia imbricam com a noção de topofrenia recentemente elaborada por Robert Tally Jr. (2018).
Original languagePortuguese
Title of host publicationInovação e Ciência em Linguística, Letras e Artes
PublisherAtena Editora
Chapter4
Pages39-57
Number of pages18
ISBN (Electronic)9786525800356
Publication statusPublished - 3 Apr 2022
Externally publishedYes

Cite this