História de impacto: Fundação Aga Khan Portugal: investir nos cruciais primeiros anos de vida, através do Programa das Amas

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

Quando a Fundação Aga Khan iniciou a sua atividade em Portugal, realizou um diagnóstico de necessidades para compreender onde poderia acrescentar mais valor. O tema da infância emergiu como fundamental também neste país, como já o era noutras geografias onde a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento opera. Foi, sobretudo, identificada a dimensão pedagógica da educação de infância, que carecia de investigação e de aprendizagem a partir da experiência dos profissionais. A Educação e Desenvolvimento de Infância tornou-se, assim, desde cedo, uma área prioritária da atividade da Fundação Aga Khan em Portugal, primeiro através do apoio a outras organizações, e a partir de finais dos anos 90 com atividades próprias, assumindo-se, assim, hoje a Fundação, como quase exclusivamente operativa em todo o espectro de ação. O Programa de Educação e Desenvolvimento de Infância valoriza os primeiros anos de vida e coloca o foco na qualidade do ecossistema criança-família de forma a fortalecer sistemas e instituições que invistam no desenvolvimento das crianças, das famílias e dos profissionais. Desde 2016 que a Fundação Aga Khan tem vindo a desenvolver ações centradas na promoção do desenvolvimento profissional de amas e outros cuidadores em contexto de educação e cuidados da infância em creche e creche familiar. Falar de impacto social da Fundação Aga Khan na área da Educação e Desenvolvimento de Infância implica, necessariamente, começar pelo Centro Infantil Olivais Sul cuja gestão assumiu, desde o primeiro momento de intervenção nesta área. O impacto do Centro deriva de uma visão holística e integrada alicerçada numa pedagogia de infância explícita e da sua aplicação em contexto comunitário, o que resulta na melhor qualidade de vida das crianças. Especificamente na área do Programa das Amas, o impacto gera-se hoje, sobretudo disseminando. Via guias que se redigem e difundem, formação que se desenha e organiza, e sensibilização que se faz num diálogo contínuo com outras instituições, com a tutela e procurando inovar com propostas concretas que permitam qualificar outros profissionais.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)19-29
Number of pages11
JournalAprender
Issue number45, sup.
DOIs
Publication statusPublished - Jun 2023

Cite this