O justo preconceito em Edmund Burke

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

O pensamento político de Edmund Burke levanta a quem o estuda a elementar dificuldade de nunca sermos confrontados com uma exposição teórica, arrumada, sobre os diversos temas que o interessaram: a moral, a religião, a política. O seu discurso é sempre reactivo e circunstanciado, embora não errático. A sua opção por esta abordagem dos assuntos e a sua recusa da exposição abstracta sistemática radica, a meu ver, na insuficiência que Burke atribui ao discurso abstracto sobre a realidade. A riqueza de cada conjuntura política, ou de cada momento histórico, requerem uma atenção vigilante dirigida ao carácter único e irrepetível do real, o qual, quando subsumido na construção geral e abstracta do discurso teorizador, se perde. Uma concepção do real que privilegia sobremaneira a singularidade de cada acontecimento carece de instrumentos que agilizem a acção. Este artigo pretende analisar à luz desta chave a sua defesa daquilo a que chama o justo preconceito.
Original languagePortuguese
Title of host publicationEstatuto do singular
Subtitle of host publicationestratégias e perspectivas: actas
EditorsMaria Luísa Couto Soares, Nuno Venturinha, Gil da Costa Santos
PublisherImprensa Nacional Casa da Moeda
ISBN (Print)9789722716482
Publication statusPublished - 2008

Cite this