Representação de D. Juan de Molière em Portugal: entre herança e desafios.

Atividade

O termo Humanidades designou durante muito tempo o estudo da Literatura e das Artes, embora, hoje em dia, englobe também todas as Ciências Humanas. Estas proporcionam informações do Homem sobre o Homem, permitindo apreender os comportamentos humanos. Um exemplo paradigmático do afirmado é o legado de Molière no teatro. Nas suas peças, Molière denuncia os pequenos defeitos do seu tempo, mas igualmente apresenta personagens humanas universais. D. Juan é uma delas. D. Juan tornou-se uma figura de culto e esta peça, um marco obrigatório. Molière coloca nela o problema da "libertinagem" e das suas ligações profundas com a hipocrisia, como a sedução sem escrúpulos, o cinismo e a libertinagem filosófica. Esta pintura da natureza humana é ainda perturbadora. Atualmente, esta peça de Molière continua a ser representada em palco, não só em França, como noutros países; veremos como, em Portugal especificamente, este legado é ainda hoje um desafio para os encenadores. Sendo que o primeiro desafio é: ultrapassar a Censura; o segundo é: traduzir o texto original de Molière em português ou adaptá-lo; o terceiro é: o próprio trabalho do encenador, ao dirigir o jogo dos atores em função do texto, do espaço cênico, do vestuário, do décor. As escolhas e interpretação de cada encenador (Jean-Marie Villégier, Kuniaki Ida, Ricardo Pais, Joaquim Benite, Luís Miguel Cintra, Pedro Gil e António Pires) tornam cada peça de D. Juan única.

Palavras-chave: herança, desafio, teatro, D. Juan, Molière
Período7 jun. 2023
Título do eventoI Congresso Internacional de Humanidades UAb
Tipo de eventoConferência
Número de conferênciaI
LocalizaçãoLisboaMostrar no mapa