Resumo

Propõe-se neste ensaio como que uma leitura a partir das «últimas coisas»: do campo (champ) à crença (croyance). A metáfora que se enuncia no antetítulo deste ensaio transporta-nos para o centro desta articulação na teoria da religião de Bourdieu: o que se representa na cultura sob a forma mais espiritual ou imaterial (état d’âme) explica-se a partir da sua inscrição na materialidade social de uma estrutura (état de corps).
Idioma originalUndefined/Unknown
RevistaTheologica
Estado da publicaçãoPublicado - 2010

Citação