#064 Caracterização biológica dos derivados do osso de choco para aplicação em endodontia

Teresa Fortuna, Suelen Pinheiro, Ana Peixoto, José Maria Ferreira, Rita Noites, Ana Sofia Duarte

Resultado de pesquisarevisão de pares

24 Transferências (Pure)

Resumo

Objetivos: Avaliar as propriedades antimicrobianas e citotóxicas do osso de choco de forma a selecionar o material de medicação intra-canalar com maior potencial de aplicação em endodontia. Materiais e métodos: A citotoxicidade de osso de choco hidrotermalmente processado foi estudada numa linha celular proveniente de rim de macaco (células VERO) de acordo com a Norma ISO 10993? 5. A viabilidade celular das células VERO após incubação com o osso de choco foi avaliada através do método colorimétrico da redução da Resazurina. Foram testadas diferentes concentrações de pó de osso de choco (6,5, 25, 100 e 400 μg/ml) e todos os resultados foram comparados com hidróxido de cálcio. Para o estudo da capacidade de inibição do crescimento de Candida albicans promovido pelo osso de choco foi utilizado o método da sementeira por gota. Resultados: Os resultados da citotoxicidade mostram que o pó de osso de choco não promove uma redução significativa da viabilidade das células VERO, mostrando que este material não é citotóxico. Mesmo não sendo considerado citotóxico para as células VERO, o hidróxido de cálcio induziu maior toxicidade para esta linha celular, quando comparado com o osso de choco, particularmente nas concentrações 25 μg/mL e 100 μg/mL (p < 0,001). Os ensaios da atividade antimicrobiana permitiram verificar uma redução do número de colónias de C. albicans na presença de 100 μg/mL de osso de choco, quando comparado com o controlo, mostrando que o osso de choco inibe o crescimento deste fungo. Conclusões: O pó de osso de choco processado hidrotermalmente não apresenta citotoxicidade para as células VERO, em todas as concentrações testadas, tendo promovido a inibição do crescimento de C. albicans. A aplicação deste tipo de material é promissora na área da endodontia, não só como medicação intra-canalar, mas também noutro tipo de aplicações como na apexificação, perfurações infra-ósseas, revascularização ou proteções pulpares.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)27-27
Número de páginas1
RevistaRevista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial
Volume62
Número de emissãoS1
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 2022
EventoXLI Congresso Anual da Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária - Online, Lisboa
Duração: 7 out. 20219 out. 2021

Citação