A condição laical no contexto dos Estados Eclesiais

H. Noronha Galvão

Resultado de pesquisarevisão de pares

9 Transferências (Pure)

Resumo

Se com "condição laical" se exprime melhor a complexidade da vocação e função dos leigos na Igreja, “estado laical” é expressão mais precisa usada pelo concílio Vaticano II (LG 30. AA 2). Deve ser definida pela sua contraposição aos outros estados eclesiais: o clerical (dos ministros ordenados) e o religioso (LG 30.31). Quer a unidade e comunhão da Igreja quer o ministério apostólico dos Doze são originariamente constitutivos da Igreja. O mistério da Igreja na sua unidade comporta, porém, como ícone do Deus Trindade, o dinamismo protológico da criação pelo Pai, o dinamismo soteriológico da redenção por Jesus Cristo e o dinamismo escatológico da santificação e consumação pelo Espírito Santo. Podemos ver cada um dos três estados eclesiais – laical, clerical, religioso – marcado por um determinado carisma ao serviço de cada um desses dinamismos. É neste sentido que a “índole secular” dos cristãos leigos os insere na comunhão eclesial por um serviço de evangelização do mundo.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)281-297
Número de páginas17
RevistaDidaskalia
Volume37
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jan. 2007

Citação