A correspondência entre a princesa Isabel da Boémia e René Descartes e a teoria das emoções

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

A correspondência (1643-1649) entre a princesa Isabel da Boémia e René Descartes, só integralmente conhecida em finais do século XIX, é reveladora de preocupações comuns e de afeição mútua. O presente artigo visa recuperar o lugar de Isabel na evolução da filosofia em geral, e da antropologia cartesiana em particular. Aplica-se a hermenêutica a uma conversação que não teria cabimento numa obra formal, de modo a entender como temas do quotidiano se tornaram objeto de reflexão e, inversamente, essa reflexão veio lançar luz sobre esses mesmos temas. Na sequência de estudos de Henriques (1996) e dos contributos marcantes de Shapiro (1999) e Jeffery (2018) sugere-se como a teoria das emoções de Isabel proporcionou a Descartes a evolução do tratamento da dualidade de corpo e alma no Tratado sobre as paixões da alma (1649), já fora do escopo deste artigo.
Título traduzido da contribuiçãoAbout the correspondence between Princess Isabel of Bohemia and Rene Descartes and the theory of emotions
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)86-107
Número de páginas22
RevistaRevista Pistis & Praxis
Volume13
Número de emissãoEspecial
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 2021

Keywords

  • Mente
  • Corpo
  • Paixões
  • Tristeza
  • Emoções
  • Método

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “A correspondência entre a princesa Isabel da Boémia e René Descartes e a teoria das emoções“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação