A Igreja de Santo António de Moscavide: história de um caminho não percorrido

Resultado de pesquisarevisão de pares

5 Transferências (Pure)

Resumo

A igreja paroquial de Santo António, em Moscavide, dedicada no dia 9 de Dezembro de 1956 pelo Cardeal Cerejeira, caracteriza-se como uma obra de ruptura, qual manifesto de oposição às igrejas revivalistas então inauguradas em Lisboa, que não deixou ninguém indiferente e deu origem a uma controvérsia acesa, onde se contaram as mais variadas opiniões, a favor ou contra a nova igreja. Da autoria dos arquitectos João de Almeida e António de Freitas Leal, surgiu como um edifício vinculado ao estilo moderno e essencialmente funcionalista, de marcada influência da arquitectura Suiça Alemã. No interior, a organização do espaço litúrgico, desenvolvido em função da valorização do altar, através do seu afastar da parede de fundo, e da disposição da assembleia em três braços dispostos segundo um T, representou uma proposta de caminho que acabou por não ser percorrido em Portugal.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)167-192
Número de páginas26
RevistaDidaskalia
Volume40
Número de emissão2
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jun 2010

Citação