A procura de conciliação entre emanação e criação no diálogo entre a Patrística e a Filosofia Islâmica medieval

Samuel Dimas*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Citação (Scopus)
1 Transferências (Pure)

Resumo

A reflexão clássica grega acerca do trânsito do Uno ao múltiplo recebe, por via das religiões do Livro, o nome de criação. Quer isto dizer que num contexto neoplatónico a noção de criação começa por ser o conceito religioso para dizer o movimento de emanação da realidade plural da realidade primigénia do Uno originário, conquistando progressivamente um outro sentido com a introdução judaico-cristã da ideia de criação a partir do nada (ex nihilo), desenvolvida por autores como, Gregório de Nissa, Santo Agostinho e são Tomás de Aquino. Na filosofia medieval islâmica do Oriente e do Ocidente al-Andalus, que herda da patrística a procura de harmonização do pensamento grego com a teologia judaico-cristã, desenvolve-se um profundo debate acerca da procura de conciliação da noção de emanação com a noção de criação. Este esforço de conciliação manifesta-se pelo recurso à noção neoplatónica da emanação e à noção aristotélica da causa primeira, para explicar a existência da pluralidade do Cosmos a partir da unidade do Ser divino primeiro.
Título traduzido da contribuiçãoThe search for conciliation between emanation and creation in Patristics and Medieval Islamic Philosophy
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)63-81
Número de páginas19
RevistaRevista de Hispanismo Filosofico
Número de emissão23
Estado da publicaçãoPublicado - set 2018

Keywords

  • Criação
  • Emanação
  • Panteísmo
  • Transcendência
  • Patrística
  • Al-Andalus
  • Neoplatonismo

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “A procura de conciliação entre emanação e criação no diálogo entre a Patrística e a Filosofia Islâmica medieval“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação