A receção crítica de “O Complexo Baader-Meinhof”: contradições éticas e estéticas

Resultado de pesquisa

Resumo

Vários filmes e documentários foram rodados sobre a luta armada da RAF, no contexto dos anos 70, na República Federal Alemã, como, por exemplo, "Deutschland im Herbst" (Kluge, Schloendorff, Fassbinder e Reitz, 1978), "Die dritte Generation" (Fassbinder, 1979), "Die bleierne Zeit" (von Trotta, 1981). Recentemente, o filme Der Baader Meinhof Komplex (Edel, 2008), uma adaptação do livro homónimo de Stefan Aust, reaviva o tema, granjeando um sucesso mundial, sendo até nomeado para um óscar. Estreou também comercialmente em Portugal. A Rote Armee Fraktion (RAF) foi fundada em 1970 por Baader, Ensslin, Mahler e Meinhof. A sua motivação implica conceitos comunistas (Marxistas- Leninistas) e anti-imperialistas. Entenderam-se como Resistência (urban guerrilla) contra um estado fascista que na sua percepção era a RFA. Esta comunicação pretende analisar aspetos do filme "Der Baader Meinhof Komplex", nomeadamente o conceito da violência e a sua estetização cinematográfica e as categorias de ética e estética que entraram em conflito na recepção do filme. Será precisamente a recepção na Alemanha e em Portugal que constitui o foco principal desta comunicação. Procurar-se-ão estabelecer paradigmas sobre a crítica de cinema em ambos os países, a partir dos discursos formulados sobre o filme. Dessa forma, será possível estabelecer contrastes culturais entre duas diferentes tradições.
Idioma originalPortuguese
Título da publicação do anfitriãoAtas do IV Encontro Anual da AIM
EditoresManuela Penafria, Daniel Ribas
Local da publicaçãoCovilhã
EditoraAIM – Associação de Investigadores da Imagem em Movimento
Páginas529-542
Número de páginas14
ISBN (impresso)978-989-98215-2-1
Estado da publicaçãoPublished - 2015

Citação