A Reforma e a religiosidade feminina em Goa entre 1721 e 1739

Ana Ruas Alves*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

3 Transferências (Pure)

Resumo

Neste estudo pretende-se desenhar um perfil da Reforma Católica no Convento de Santa Mónica (1721-1739), uma comunidade de Religiosas sob égide dos frades Eremitas de Santo Agostinho, focando os seus estatutos, passando pelo quotidiano, os rituais, regras e verificar de que modo a oração mental e a vida perfectiva eram constantemente colocadas em causa. Assim, é analisada a conturbada relação das religiosas com o arcebispo, D. Frei Inácio de Santa Teresa, que se registou durante toda a governação do prelado. Coloca‑se a questão da vocação, do disciplinamento e a visão de um bispo jacobeu. Os Estatutos do Real Convento de Santa Mónica compreendiam a disciplina da comunidade, mas será que seriam cumpridos? Modelar os comportamentos será um fenómeno de história de curta ou de longa duração? O disciplinamento seria um acto de vontade pessoal ou de um grupo? Os decretos conciliares sobrepor‑se‑iam aos interesses particulares?
Título traduzido da contribuiçãoReform and Feminine Religiosity in Goa between 1721 and 1739
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)155-179
Número de páginas25
RevistaLusitania Sacra
Número de emissão38
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 2018

Keywords

  • Mónicas
  • Goa
  • Religiosidade
  • Reforma
  • Arcebispo de Goa

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “A Reforma e a religiosidade feminina em Goa entre 1721 e 1739“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação