«Como se na terra não ouvera Igreja, nem Prelado»: administração episcopal, capitanias e Inquisição nas fortalezas portuguesas do Magrebe (1541-1769)

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Este estudo tem como objetivo compreender as dinâmicas de atuação da Igreja diocesana no contexto singular das praças portuguesas do norte da África, particularmente nas de Ceuta, Tânger, Mazagão e Arzila, entre 1541 e 1769, a partir de uma abordagem abrangente baseada em fontes régias, eclesiásticas e inquisitoriais. Procurar-se-á analisar o impacto das conhecidas restrições inerentes a esses espaços na organização e desempenho da administração e justiça episcopais, mas também focando a relação entre o clero secular e outros poderes, como a Coroa, as capitanias, a Inquisição e as Ordens Religiosas.
Título traduzido da contribuição«Como se na terra não ouvera Igreja, nem Prelado»: episcopal administration and justice in the Portuguese fortresses of the Maghreb (1541-1769)
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)15-39
Número de páginas25
RevistaLusitania Sacra
Número de emissão41
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 1 jan 2020

Keywords

  • Estruturas eclesiásticas
  • Praças portuguesas no Norte de África
  • Época Moderna

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “«Como se na terra não ouvera Igreja, nem Prelado»: administração episcopal, capitanias e Inquisição nas fortalezas portuguesas do Magrebe (1541-1769)“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação