Como se reescreve um Papa? a tradução no campo jornalístico dos discursos papais na ONU

Resultado de pesquisa

Resumo

Neste trabalho, procuramos contribuir para o conhecimento de uma área ainda pouco explorada nos Estudos de Tradução: a tradução no campo jornalístico. Propomos esta designação, assim como um modelo de análise com o intuito de representarmos graficamente a complexidade envolvida num tal fenómeno translatório. Nele apresentamos um possível aparato teórico e metodológico para um estudo sobre o campo, mostrando como pode ser entrecruzado e aplicado na observação e interpretação dos dados. A pesquisa é desenvolvida no eixo de duas disciplinas centrais – os Estudos de Tradução e os Estudos de Comunicação –, mas o nosso trabalho vai igualmente beber aos Estudos de Religião, enquanto a esfera à qual pertence o nosso agente de partida: o Sumo Pontífice da Igreja Católica; à Análise do Discurso, por ser pela análise crítica discursiva que discutimos os textos – mais precisamente, as versões reescritas pelos jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Diário dos Açores a partir dos Discursos proferidos pelos Papas Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI e Francisco na Assembleia Geral das Nações Unidas, em cinco momentos da História compreendidos entre 1965 e 2015; e aos Estudos de Cultura, visto visarmos aferir em que medida as opções dos jornalistas foram a expressão de um enraizamento de valores (i.e., uma ideologia, no sentido althusseriano do termo) quer afetos às redações, quer à sociedade portuguesa, a nível da identidade religiosa. A reescrita é por nós entendida como um ato de tradução, desenvolvido numa lógica circular: da comunicação da visão dos Papas (em nome da Igreja Católica) sobre o mundo e para os dirigentes mundiais da época à retransmissão da mesma num contexto sociocultural (não oficial), em língua portuguesa, para um conjunto de recetores heterogéneo e amplo, e respeitando as especificidades da discursividade jornalística, que passam, por exemplo, pela seleção, reorganização e destaque de alguns argumentos (e não de outros). Fazemos uma comparação sincrónica e diacrónica dos dados, com o objetivo principal de compreendermos se e como, num mesmo polissistema, diferentes agentes podem produzir e transmitir uma diferente reinterpretação de um texto, sobretudo quando definido como uma verdade oficial para a instituição de partida, assim dando azo a um conhecimento público diferenciado sobre os acontecimentos – no caso, sobre o papel do Papa na cena política internacional.
Título traduzido da contribuiçãoHow can a Pope be rewritten? : The translation in the journalistic field of the Popes’ speeches at the United Nations General Assembly
Idioma originalPortuguese
QualificaçãoDoctor of Philosophy
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
Supervisores/Consultores
  • Lopes, Alexandra, Supervisor
  • Ribeiro, Nelson, Co-orientador
Promotores de tese
Data do prémio24 jun 2021
Estado da publicaçãoPublished - 16 nov 2020

Keywords

  • Tradução no campo jornalístico
  • Comunicação
  • Reescrita
  • Discurso
  • Ideologia
  • Património cultural religioso

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Como se reescreve um Papa? a tradução no campo jornalístico dos discursos papais na ONU“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação