A gestão de conflitos nas organizações: conceptualização e diferenças de género

Sandrina Sobral, Filomena Capucho

Resultado de pesquisarevisão de pares

2 Transferências (Pure)

Resumo

A forma de perspetivar o conflito tem sofrido significativas alterações com implicações para as organizações, constituindo-se estas em verdadeiras arenas para a sua formação. Por um lado, surge a visão tradicional, onde o conflito era sinónimo de violência, destruição e irracionalidade e, por outro lado, a visão emergente, onde o conflito é sinónimo de produtividade, ao fomentar a criatividade e a inovação. A comunicação surge como causa e solução, em simultâneo, devendo ser instigadas estratégicas ajustadas à natureza e à situação de conflito, baseadas na cooperação entre as partes, naturalmente distintas. Através de uma revisão bibliográfica, objetivou-se refletir o “estado da arte” no âmbito da gestão de conflitos nas organizações, dando ênfase às diferenças de género. Os resultados não evidenciaram um estilo estritamente associado ao género masculino ou ao feminino; contudo, reconhece-se a utilização de uma estratégia de negociação e menos de confrontação pelas mulheres, em oposição aos homens. Identifica-se escassa investigação empírica em Portugal neste domínio, podendo este estudo contribuir no seu progresso, ao estabelecer bases teóricas que a sustentem.
Título traduzido da contribuiçãoConflict management in organizations: conceptualization and gender differences
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)33-54
Número de páginas22
RevistaGestão e Desenvolvimento
Número de emissão27
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 11 set 2019

Keywords

  • Conflito
  • Estilos de gestão de conflito
  • Comunicação
  • Género

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “A gestão de conflitos nas organizações: conceptualização e diferenças de género“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação