Crise da modernidade e ascensão do movimento neopentecostal

Roberto Barroso Rocha, Eduardo Jorge Duque

Resultado de pesquisarevisão de pares

3 Transferências (Pure)

Resumo

Na sociedade globalizada, a cultura capitalista prepondera, exercendo influências, também, no fenômeno religioso. No Brasil, um de seus reflexos é o crescimento pentecostal, que entra em sua terceira fase a partir dos anos 1970. Assim, este artigo analisa a expansão do neopentecostalismo e suas imbricações com as crises da narrativa moderna e do protestantismo histórico. A análise se dá em perspectiva interdisciplinar, abarcando autores da Sociologia (Bauman, 2008; Fukuyama, 1992; Ianni, 1993), Teologia (Libanio, 1999; Nilbuhr, 1992) e Ciências da Religião (Bingemer, 2000; Bittencourt, 2003; Cunha, 2007). Conclui-se destacando como o neopentecostalismo encontra nos valores pós-modernos, sustentados na visão liberal, intenso valor ao mercado e ao consumo, terra fértil à sua semeadura e fortalecimento, forjando uma comunidade de fiéis que, diferentemente dos pentecostais que lhes antecederam, regozijam-se com as riquezas materiais, e não apenas com as bênçãos de uma futura vida eterna.
Título traduzido da contribuiçãoCrisis of modernity and rise of the new pentecostalism movement
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)103-127
Número de páginas25
RevistaRevEleTeo
Volume14
Número de emissão26
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 2020

Keywords

  • Protestantismo
  • Neopentecostalismo
  • Pós-modernidade
  • Cultura capitalista
  • Consumo

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Crise da modernidade e ascensão do movimento neopentecostal“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação