El foso de políticas. La salud mental en un país semi-periférico (Portugal, 1998-2016)

Título traduzido da contribuição: O fosso de políticas. A saúde mental global em um país semi-periférico (Portugal, 1998-2016)

Tiago Pires Marques*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

2 Citações (Scopus)

Resumo

Este artigo analisa o impacto do paradigma hegemônico da saúde mental global (SMG) em Portugal. Argumenta-se que a SMG em Portugal promoveu uma mudança de prioridades nas políticas de saúde, favorecendo a prevenção e o tratamento das desordens mentais comuns em detrimento do processo de desinstitucionalização. Difundindo-se nos media, este modelo tem efeitos negativos,ao contribuir para a medicalização do sofrimento social, o escalonamento de áreas de intervenção de acordo com critérios utilitaristas e o risco de uma maior invisibilidade dos usuários com diagnósticos psiquiátricos graves. Contudo, o enfoque da SMG no impacto do conjunto daspolíticas sociais sobre a saúde mental representa uma nova oportunidade para encarar politicamente o sofrimento social.Caracterizado como país semiperiférico, Portugal pode ser representativo de tendências observáveis em países similares.
Título traduzido da contribuiçãoO fosso de políticas. A saúde mental global em um país semi-periférico (Portugal, 1998-2016)
Idioma originalSpanish
Páginas (de-até)787-798
Número de páginas12
RevistaInterface: Communication, Health, Education
Volume21
Número de emissão63
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 out. 2017
Publicado externamenteSim

Keywords

  • Globalização
  • Saúde mental
  • Reformas psiquiátricas
  • Epidemiologia psiquiátrica
  • Direitos humanos

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “O fosso de políticas. A saúde mental global em um país semi-periférico (Portugal, 1998-2016)“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação