Avaliação da capacidade de trabalho versus envelhecimento dos funcionários, num município português de média dimensão

A. Almeida, M. Santos, C. Mendes, M. Machadinho

Resultado de pesquisarevisão de pares

55 Transferências (Pure)

Resumo

Introdução A população trabalhadora da Europa está a envelhecer e várias organizações definiram concetualmente a categoria dos trabalhadores com mais de 55 anos como os “Trabalhadores Mais Velhos”, num contexto onde, a curto/ médio prazo, a sua capacidade produtiva será fundamental para o funcionamento dos diversos países, dado o envelhecimento da população. Objetivo No sentido de perceber quais as implicações que esta mudança poderá ter para a saúde ocupacional, pretende-se: a) caraterizar a população de trabalhadores mais velhos de um município de Portugal no que diz respeito à capacidade para o trabalho; b) comparar uma amostra de trabalhadores mais velhos com outra de trabalhadores com menos de 35 anos. Método Trata-se de um estudo descritivo, correlacional, comparativo de carater transversal, realizado após a aplicação de um inquérito aos trabalhadores do município de Albufeira, com 1301 indivíduos. Para obter a amostra final, utilizou-se o método de amostragem estratificada por idades. O estudo foi autorizado pelos responsáveis do município e a participação dos trabalhadores cumpriu com todos os requisitos éticos. Resultados A amostra de Trabalhadores Mais Velhos é menos escolarizada, tem empregos menos diferenciados e mantem o equilíbrio entre géneros, algo que não acontece nos mais jovens, onde se sente o predomínio do sexo feminino. Quando se compara a capacidade laboral observa-se que, no grupo de maior idade, há aumento da morbilidade e da sensação de incapacidade face à doença, bem como um sentimento mais negativo associado à capacidade intrínseca atual, à capacidade face às exigências da tarefa e relativa aos recursos psicológicos disponíveis; acrescenta-se ainda uma taxa superior de absentismo de longa duração e as limitações ao nível da perceção sensorial (visual e auditiva) que afetam a capacidade laboral, fatores que os colocam numa situação de maior vulnerabilidade, face aos Trabalhadores Mais Jovens.No que diz respeito ao ambiente e relações interpessoais, acreditam que a entidade patronal valoriza menos o seu trabalho em relação aos restantes e são os únicos que referem a existência de ambientes de trabalho maus ou muito maus. Não apresentam, contudo, muitas sugestões de melhoria. Relativamente à idade que idealizam para a reforma, comprova-se uma relação direta com capacidade para o trabalho (avaliada com o ICT- índice de capacidade para o trabalho) embora pareçam pouco informados acerca das medidas que, potencialmente, poderiam ser facilitadoras e promotoras da sua saúde física, metal e capacidade laboral, tais como um plano de reforma progressiva. Sugerem, no entanto, o aumento do número de férias/ folga como facilitadores. Conclusão A realização do estudo permitiu concluir que existem diferenças estatisticamente significativas em quase todas as áreas analisadas com prejuízo para os Trabalhadores Mais Velhos. É por isso urgente repensar em novas soluções de forma a assegurar no futuro a manutenção da sua capacidade produtiva de uma forma saudável e duradoira.
Título traduzido da contribuiçãoEvaluation of work capacity versus aging of employees, in a portuguese municipality of average dimension
Idioma originalPortuguese
Número de páginas30
RevistaRevista Portuguesa de Saúde Ocupacional
Volume6
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 31 dez. 2018

Keywords

  • Índice de capacidade para o trabalho
  • Envelhecimento laboral
  • Trabalhadores mais velhos
  • Saúde ocupacional

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Avaliação da capacidade de trabalho versus envelhecimento dos funcionários, num município português de média dimensão“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação