Fronteira inexpugnável: a hispanofobia de Franco Nogueira entre o estado novo e a democracia

José Miguel Sardica*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Citação (Scopus)
19 Transferências (Pure)

Resumo

Na narrativa da nação portuguesa, a Espanha foi muitas vezes olhada como um perigoso «outro», uma ameaça que justificava a demonização do vizinho ibérico. Séculos de anti castelhanismo, ou de pura hispanofobia, constituíram assim um ingrediente definidor do nacionalismo português. Um dos mais fortes defensores deste discurso foi, na segunda metade do século XX, Alberto Franco Nogueira, ministro dos Negócios Estrangeiros do Estado Novo, entre 1961 e 1969, e conhecido crítico de qualquer amizade ibérica no quadro da Democracia e da Europa. Explorando os seus escritos sobre as relações luso-espanholas, e a forma como intransigentemente se opôs a qualquer abordagem política ou cultural de cariz hispanófilo, o objetivo deste texto é o de evocar uma disposição e discurso públicos que, longe de constituírem uma excentricidade individual, informaram muitas opiniões portuguesas anti cosmopolitas, criando ou reforçando uma noção de fronteira inexpugnável contra a Espanha, que foi tanto realidade física quanto, sobretudo, representação e barreira mental.
Título traduzido da contribuiçãoImpregnable border: Franco Nogueira's hispanophobia between the Portuguese new state and democracy
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)111-137
Número de páginas27
RevistaRevista de História das Ideias
Volume35
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jan. 2017

Keywords

  • Portugal
  • Espanha
  • Hispanofobia
  • Hispanofilia
  • Franco Nogueira

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Fronteira inexpugnável: a hispanofobia de Franco Nogueira entre o estado novo e a democracia“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação