Gnosticismo e dualismo anticósmico: génese remota de uma crise

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

O presente ensaio tenta mostrar como o dualismo anticósmico, característico da maioria dos sistemas gnósticos da Antiguidade, deixou marcas traumáticas até aos nossos dias, nas relações do ser humano com o cosmo e a natureza. Ao contrapor radicalmente Espírito e Matéria, Deus e o Demiurgo, o mundo divino sumamente perfeito e «estrangeiro», a este mundo material e mau, terra «estranha» e «exílio forçado» em que o gnóstico se sente «fora de casa»; ao propor uma metafísica antitética baseada na sola gnosis, não podemos deixar de ver no gnosticismo antigo as premissas remotas que enfermaram a nossa cultura, marcada pelo paradigma conflitual na relação do homem com o mundo e suas criaturas, e, assim contribuíram para a degradação da relação do habitante com o habitat.
Título traduzido da contribuiçãoGnosticism and anticosmic dualism: remote genesis of a crisis
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)39-78
Número de páginas40
RevistaEphata
Volume4
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 4 mai 2022

Keywords

  • Gnosticismo
  • Dualismo
  • Cosmo
  • Anticosmismo
  • Mal
  • Ecologia

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Gnosticismo e dualismo anticósmico: génese remota de uma crise“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação