Guerra Junqueiro e a teopoética da negação como afirmação: entre A Velhice do Padre Eterno e A Lágrima, veios de um pensamento metafísico

Resultado de pesquisarevisão de pares

14 Transferências (Pure)

Resumo

Revisitando o poeta Guerra Junqueiro (1850-1923), e tendo por horizonte as questões religiosa e política, à luz das quais se pesou o passado do poeta e quase se lhe hipotecou o futuro, o presente artigo propõe dois veios ou modalidades por onde corre a sua tão contraditada unidade de pensamento. Para o efeito, viaja em torno de "A Velhice do Padre Eterno", obra paradigmática do anticlericalismo português, e de "A Lágrima", história-metáfora-alegoria, momento singular no pensamento metafísico junqueiriano.
Título traduzido da contribuiçãoGuerra Junqueiro and the theopoetics of denial as affirmation: between The Old Age of the Eternal Father and The tear, veins of a metaphysical thought
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)209-237
Número de páginas29
RevistaTeoliterária
Volume10
Número de emissão22
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 14 dez. 2020

Keywords

  • Guerra Junqueiro
  • A Velhice do Padre Eterno
  • A lágrima
  • Pensamento metafísico
  • Teopética

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Guerra Junqueiro e a teopoética da negação como afirmação: entre A Velhice do Padre Eterno e A Lágrima, veios de um pensamento metafísico“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação