In umbilico terrae sita: o território utopiano e a nova territorialização epistemológica

Joaquim Machado, Alberto Filipe Araújo

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Na Utopia, Tomás More procede a uma deslocalização conceitual que revitaliza o debate sobre o lugar da filosofia na corte do príncipe, põe em causa políticas vigentes na Europa do seu tempo e faz da ilha de Utopia a referência para a melhor forma de governação. Este artigo identifica a ilha como espaço geográfico e, ao mesmo tempo, como espaço sagrado, onde se conjugam o quadrado da cidade e a circularidade da ilha e do golfo marítimo, com um centro comum, e, por isso, apenas acessível aos iniciados ou àqueles que dispõem de um guia conhecedor desse espaço mágico-religioso, como ilustra a viagem de ida do navegador português até Utopia. Centrando-se no debate central do diálogo sobre o contributo do filósofo para o bem público, o artigo desvela uma racionalidade menos teológica e mais civil da governa-ção dos povos, sublinha uma conceção da ação política como arte da navegação e a necessidade de ela, por vezes, seguir uma via menos direta que se acomode melhor ao teatro do mundo, onde se jogam a retidão da intenção e a eficácia dos meios utilizados.
Idioma originalPortuguese
Título da publicação do anfitriãoViagem e cosmopolitismo
Subtítulo da publicação do anfitriãoda Ilha ao Mundo
EditoresAlcina Sousa, Ana Isabel Moniz, Cristina Santos Pinheiro, Joaquim Pinheiro, Leonor Coelho
EditoraUniversidade da Madeira
Páginas67-81
Número de páginas15
ISBN (impresso)9789898805393
Estado da publicaçãoPublished - 2021

Keywords

  • Cidade ideal
  • Espaço epistemológico
  • Desejo utópico
  • Ação política
  • Retidão
  • Eficácia

Citação