Irma Stern, uma leitura expressionista da vivência insular

Anne Martina Emonts, Isabel Santa Clara

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

O artigo analisa num enquadramento teórico de transferência e mobilidade cultural (Greenblatt 2010) a obra da pintora sul-africana de origem judia alemã Irma Stern (1894-1966) produzida ou tendo como temática a ilha Madeira. A sua estadia em 1931 é exemplo paradigmático dos contactos entre as periferias insulares e os centros europeus, onde se geravam os movimentos vanguardistas. Com formação artística adquirida na Alemanha, de índole marcadamente expressionista, a pintora lançou sobre a Madeira um olhar simultaneamente enlevado e crítico. Viveu e cresceu num cruzamento de culturas: as das suas origens, alemã, judia e sul-africana e aquelas com que contactou durante as suas viagens a Inglaterra, França, Itália, Senegal, Congo, Zanzibar. É abordada a relação da pintora com o movimento expressionista alemão e são analisadas, nas suas opções temáticas e estilísticas e em função do percurso da pintora, algumas das obras realizadas na Madeira, fruto das suas estadias em 1931, 1950 e 1963.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)153-171
RevistaTranslocal - Culturas Contemporâneas Locais e Urbanas
Número de emissão2
Estado da publicaçãoPublished - 2019

Citação