Língua gestual de São Tomé e Príncipe: retrato dos primeiros gestos

Ana Mineiro , Patrícia Carmo

Resultado de pesquisarevisão de pares

10 Transferências (Pure)

Resumo

Neste artigo pretende-se retratar a génese da Língua Gestual de São Tomé e Príncipe. A pedido do Governo de São Tomé e Príncipe (Ministério da Educação, Cultura e Ciência, Célula do Ensino Especial), a Universidade Católica Portuguesa, o Instituto Marquês de Valle Flôr e o Hospital Cuf Infante Santo colaboraram num projeto comum: implementar uma Língua Gestual para os surdos santomenses. A este projeto, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, deu-se o nome de Projeto Sem Barreiras. O artigo encontra-se estruturado em duas partes: uma primeira parte, em que se descreve, de forma resumida, as principais linhas de ação do projeto, os participantes e a metodologia utilizada; e uma segunda parte em que se analisa a emergência dos primeiros gestos, recorrendo, pontualmente, à comparação com o sucedido em outras línguas emergentes.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)161-182
Número de páginas22
Revista Linguística : Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto
Volume11
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jul. 2016

Keywords

  • Primeiros gestos de uma língua gestual emergente
  • Língua gestual de São Tomé e Príncipe
  • Tendências universais nas línguas emergentes

Citação