Garra dos líderes e capital psicológico dos liderados: uma exploração concetual de condições moderadoras

Arménio Rego*, Filipa Sobral, Ana Simões, Cátia Duarte, Francisco Reis, Inês Quaresma, Maria Guimarães, Maria Teixeira, Miguel Pina e Cunha

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

3 Transferências (Pure)

Resumo

A garra (termo aqui traduzido de grit) tem sido encarada como crucial para o sucesso dos indivíduos e a eficácia dos líderes, embora alguns autores não sustentem essa tese. A investigação empírica é escassa e pouco conclusiva. Um possível caminho para melhor compreender este construto passa por considerar condições moderadoras. Aqui discutimos três dessas condições: (1) garra veiculada pelo líder versus garra autoatribuída; (2) humildade expressa pelo líder; (3) apoio social expresso pelo líder. O modelo concetual argumenta que o líder que veicula mais garra perante os liderados desenvolve o capital psicológico destes, mas esse efeito é mitigado, ou mesmo anulado, se o líder for desprovido de humildade e não facultar apoio social aos liderados. Distintamente, o líder estimula o capital psicológico dos liderados se, além de veicular garra, também expressar humildade e apoio social aos liderados.
Título traduzido da contribuiçãoLeaders' grit and followers psychological capital: exploring moderating conditions
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)1-12
Número de páginas12
RevistaPSICOLOGIA
Volume34
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 2020

Keywords

  • Liderança
  • Garra (grit)
  • Garra veiculada versus garra autoatribuída
  • Humildade
  • Apoio social
  • Capital psicológico

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Garra dos líderes e capital psicológico dos liderados: uma exploração concetual de condições moderadoras“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação