Políticas linguísticas na educação de surdos em Portugal

Resultado de pesquisarevisão de pares

36 Transferências (Pure)

Resumo

Neste artigo pretendemos fazer um traçado histórico sobre as políticas linguísticas adotadas em Portugal desde que se conhece a educação de surdos. Portugal tendo aderido às resoluções aprovadas no Congresso de Milão (1880) praticou durante largos anos uma política linguística que interferiu na educação de surdos, tendo em conta a predominância do oralismo sobre a língua gestual. Essa atitude de política linguística só veio a ser alterada nos anos 90, quando na constituição portuguesa, em 1997, reconheceu a Língua Gestual Portuguesa (doravante LGP) como a língua na qual se deve desenrolar o ensino e aprendizagem das crianças surdas. Desde então as políticas linguísticas de bilinguismo têm predominado e têm tido um reflexo muito positivo na educação de surdos e no acesso ao ensino superior e a graus de ensino avançados. Este artigo irá refletir sobre as políticas linguísticas adotadas em Portugal, entrelaçando essa reflexão na história da educação de surdos no mundo e em Portugal.
Título traduzido da contribuiçãoLinguistic policies in deaf education in Portugal
Idioma originalPortuguese
Número de páginas11
RevistaEducação Unisinos
Volume24
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 21 set 2020

Keywords

  • História da educação de surdos em Portugal
  • Políticas educativas e linguísticas e surdez

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Políticas linguísticas na educação de surdos em Portugal“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação