Medicina dentária do sono: uma realidade na prática clínica do médico dentista?

Jorge Miguel de Oliveira Martins*, Carlos Ferreira de Almeida, Ana Rita Carvalho, Filomena Capucho, Susana Silva

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

2 Transferências (Pure)

Resumo

Objetivos: Perceção internacional do impacto da Medicina Dentária do Sono através do estudo dos conhecimentos dos Médicos Dentistas relativos ao diagnóstico e tratamento da roncopatia e da Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, da sua experiência clínica, bem como das opiniões destes profissionais sobre o tratamento multidisciplinar destas patologias. Materiais e métodos: Para este estudo correlacional por amostragem do tipo observacional, descritivo e transversal foi realizado um questionário semiaberto que, para além de elaborado em português foi traduzido para castelhano e inglês. A linguagem dos questionários foi previamente avaliada por uma especialista em linguística nos idiomas supracitados. Adicionalmente, dois Médicos Dentistas nativos em cada um dos referidos idiomas reviram os questionários e avaliaram as traduções. Estes incluíam questões relativas a: caracterização da amostra, prática clínica, conhecimentos teóricos e opiniões. Os questionários foram distribuídos aos referidos profissionais em papel e divulgados/difundidos através da plataforma online Google Forms®. Os dados foram analisados estatisticamente com recurso ao IBM® SPSS®, tendo sido utilizado um nível de significância de 5%. Resultados: Obtiveram? se 236 respostas válidas nos cinco continentes. 35,2% referiram ter formação/ certificação, após a graduação, relativa a estas patologias. A minoria (20,8%) afirmou integrar uma equipa multidisciplinar do sono. Quando necessitam de realizar terapêutica para estas patologias, a abordagem mais utilizada são os dispositivos intraorais removíveis de avanço mandibular. Na maioria das questões que aferiram os conhecimentos teóricos, estes profissionais responderam corretamente. A minoria (28,0%) dos Médicos Dentistas concorda ou concorda totalmente que a formação académica que possui é suficiente para realizar tratamento para estas patologias. Por outro lado, 54,2% dos elementos da amostra concordam ou concordam totalmente que os Médicos Dentistas podem detetar, diagnosticar e/ou tratar as referidas patologias. A maioria (69,5%) destes profissionais reconhece que o tratamento multidisciplinar num espaço clínico único é o mais adequado. Conclusões: Apesar do significativo desenvolvimento da Medicina Dentária do Sono ao longo das últimas décadas, existe uma clara necessidade de maior formação dos Médicos Dentistas de forma colmatar as lacunas e erradas conceções identificadas. Existe, também, a necessidade de maior integração destes profissionais nas equipas multidisciplinares do sono.
Idioma originalPortuguese
Número do artigo1
Páginas (de-até)70-70
RevistaRevista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial
Volume60
Número de emissãoS1
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 2019

Citação