No princípio da Bíblia está o mito: a espiritualidade dos mitos de criação

Resultado de pesquisarevisão de pares

6 Transferências (Pure)

Resumo

Os primeiros onze capítulos da Bíblia sempre puseram especiais problemas à sua interpretação, em boa parte, por serem lidos em circuito fechado, no desconhecimento do seu contexto. A descoberta de mitos de criação na antiga Mesopotâmia, paralelos estreitos dos seus congéneres bíblicos, vem situá-los no seu contexto cultural específico e contribui para a sua compreensão teológica. Só é preciso reconhecer que as narrativas bíblicas da criação são mitos e contêm toda a rica espiritualidade dos mitos de criação. Estes são o resultado de uma intuição religiosa, de uma constante atitude contemplativa face às coisas e à existência humana: vêem-nas à luz de Deus, em relação com Deus e vêem Deus nelas. Visam interpretá-las, sublimá-las, dar-lhes o mais profundo sentido, sugerindo que a maneira mais elevada de olhar para elas é vê-las na dependência de Deus. Para isso, em forma de história, atribuem a sua existência a um acto criador de Deus “no princípio” de tudo o que existe. São, pois, essencialmente autênticos actos de fé e teologia narrativa.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)45-73
Número de páginas29
RevistaDidaskalia
Volume37
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jan 2007

Citação