O absoluto do bem, o tempo e o mal, em A cidade de Deus, de Santo Agostinho

Resultado de pesquisarevisão de pares

2 Transferências (Pure)

Resumo

Na fidelidade à intuição platónica de um absoluto de actualidade híper-ôntica, híper-onto-lógica, metaforizada nas diferentes imagens do bem-sol presentes na Politeia, de que tudo retira necessariamente a sua possibilidade de ser, Agostinho de Hipona, aponta para uma trans-realidade absoluta, absolutamente metafísica, que é absoluta origem de toda a onticidade própria deste que é o mundo em que os seres humanos se encontram. É na relação de total dependência principial com esta trans-realidade que se encontra a possibilidade do âmago ôntico de isso que é o mundo, o mesmo movimento, absoluto dado em e por tal relação e que é isso que produz tempo e espaço. Nada na pureza da relação atenta contra a perfeição realizável da possibilidade de positividade ontológica a realizar no mundo (que é a própria matriz da divina cidade), mas da mesma perfeição criatural específica de um determinado grupo faz parte a possibilidade de perversão, por negação, da pureza do laço metafísico com o absoluto da possibilidade de positividade ontológica: tal é a origem do mal.
Título traduzido da contribuiçãoThe absolute of good, time and evil in The city of God, by Augustine (books XI and XII)
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)1-19
RevistaSynesis
Volume11
Número de emissão1
Estado da publicaçãoPublicado - 2019

Keywords

  • Deus
  • Santo Agostinho
  • Criação
  • Tempo
  • Livre-arbítrio

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “O absoluto do bem, o tempo e o mal, em A cidade de Deus, de Santo Agostinho“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação