O caminho inverso: da personagem à intriga

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Diversos autores têm entendido a escrita de argumento como alicerçada na intriga e na personagem. Tanto a generalidade dos designados how-to-books como as publicações de caráter narratológico, exploram a relação entre aquelas duas componentes da narrativa num sentido preferencial –aquele que subordina a personagem à estrutura da intriga. Ao invés, autores como Horton (1994) propõem uma abordagem centrada na personagem, cuja complexidade permite trilhar o percurso criativo oposto. Que ferramentas permitem operar esse processo? Por outras palavras, como podemos criar uma intriga a partir de uma personagem? Este trabalho procura responder à questão, propondo tanto uma matriz teórica quanto estratégias práticas construídas no âmbito de um estudo teórico-empírico em curso(Castro, 2016),que se debruça sobre as formas construção de personagem usadas por artistas de diversas áreas.Assim,equaciona-se o papel de conceitos psicanalíticos (como splitting, negação e projeção)na exteriorização da multivocalidade interna do protagonista em elementos narrativos, como o conflito e a transformação. Em paralelo, são apresentadas estratégias práticas para externalizaro mundo interior da personagem, num processo de formação sígnica.A transformação da personagem revela-se como uma dissociação das relações sígnicas inerentes ao conflito narrativo: no final, uma morte simbólica do protagonista permite (re)encontrar o significado fundamental, até então obscurecido pelo foco no significante.
Idioma originalPortuguese
Número de páginas1
Estado da publicaçãoPublished - mai 2017
EventoVII Encontro Anual da AIM - Braga
Duração: 10 mai 201713 mai 2017

Conferência

ConferênciaVII Encontro Anual da AIM
País/TerritórioPortugal
CidadeBraga
Período10/05/1713/05/17

Citação