O interior no cinema português: João Canijo e António Reis/Margarida Cordeiro

Resultado de pesquisa

Resumo

Os últimos trinta anos têm sido anos de rupturas e continuidades entre diferentes visões no cinema português. A "escola portuguesa" - denominação utilizada para caracterizar um conjunto de filmes e autores entre as décadas de 70 e 80 - dominou o panorama daquilo que se conheceu como "cinema português" e que foi, inclusivamente, promovido institucionalmente no plano internacional. A pluralidade de olhares e abordagens, no entanto, sempre foi uma das suas imagens de marca. Na discussão que vamos iniciar, interessa-nos, sobretudo, utilizar um dos exemplares máximos da assim chamada "escola portuguesa" - o casal António Reis e Margarida Cordeiro - para fazer urna análise comparativa com um cineasta contemporâneo: João Canijo. Esta comparação entre as duas cinematografias é tanto mais pertinente porque se baseará na localização geográfica que ambos escolheram em alguns dos momentos mais importantes das suas obras: o interior rural português.
Idioma originalPortuguese
Título da publicação do anfitriãoTerras em Transe – Ética e Estética no Cinema Português
EditoresCarolin Overhoff Ferreira
Local da publicaçãoMunique
EditoraAVM
Páginas75-90
Número de páginas16
ISBN (impresso)978-3-95477-000-7
Estado da publicaçãoPublished - 2012

Citação