O rei, chave da regeneração: poderes constitucionais e prática política (1851-1885)

Lourenço Pereira Coutinho

Resultado de pesquisa

Resumo

Em 1851, os homens que fizeram a Regeneração aceitaram manter a Carta para salvar o decoro do Rei, mas esperavam afastá-lo do processo político. Enganaram-se. A prática veio a provar que, por longo tempo, não foi possível estruturar uma alternativa válida ao seu protagonismo.
Idioma originalPortuguese
Local da publicaçãoLisboa
EditoraUniversidade Católica Editora
Número de páginas240
ISBN (impresso)9789725409480
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - mai. 2023

Série de publicação

NomeBiblioteca de investigação

Citação