Ofício de morrer: o corpo e a morte na poesia de Daniel Faria – um tríptico para o desdobramento da imolação

Resultado de pesquisarevisão de pares

5 Transferências (Pure)

Resumo

Daniel Faria é um dos mais impressivos poetas portugueses do final do século XX. Nasceu em 1971 e morreu com 28 anos, em 1999 – era, então, noviço no mosteiro beneditino de Singeverga. Sendo um poeta místico, a sua obra – particularmente os seus três últimos livros: Explicação das árvores e de outros animais [1998], Homens que são como lugares mal situados [1998] e Dos líquidos [2000] – desdobra um fascinante diálogo entre o corpo e a morte, revelando uma rara tensão entre a imanência e a transcendência. E se a morte é um sistema na poesia de Daniel Faria, o corpo é uma gramática generativa, uma semântica conectiva, o sistema circulatório da sua sintaxe. Assim, o corpo – a corporeidade –, numa poesia mística como a deste poeta, revela um corpo difuso, um corpo que pesa e que interage com a realidade no limite de difíceis cedências, um corpo que existe e que – por isso – condena e é, ainda assim, no diálogo íntimo com a morte, precisamente por existir, uma possibilidade de salvação.
Título traduzido da contribuiçãoBusiness of dying: body and death in the poetry of Daniel Faria- a triptych for the unfolding of immolation
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)12-48
Número de páginas37
RevistaTeoliterária
Volume9
Número de emissão17
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 2019

Keywords

  • Daniel Faria
  • Poesia portuguesa contemporânea
  • Teologia e literatura

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Ofício de morrer: o corpo e a morte na poesia de Daniel Faria – um tríptico para o desdobramento da imolação“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação