Peter Pan e infância eterna: sob o signo da criança heroica

Alberto Filipe Araújo, Joaquim Machado de Araújo, Iduína Mont’alverne

Resultado de pesquisarevisão de pares

7 Transferências (Pure)

Resumo

Este artigo traça o retrato de Peter Pan como criança que persiste em manter o estado de infância e apresenta a sua natureza mítica e arquetipal. Ancora-se nos contributos de Jung, da história da mitologia e da hermenêutica simbólica de Gilbert Durand. Das lições advindas da leitura e análise da obra de Barrie, é preciso recordar que as pessoas crescidas se esquecem de alçar voos, pois se afastam da imaginação, recalcam-na, recusam-na mesmo em nome da razão, do lado diurno, solar, patriarcal da vida, em detrimento do lado noturno, místico, lunar, matriarcal da vida.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)485-505
Número de páginas21
RevistaRevista de Educação Pública
Volume28
Número de emissão68
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 20 mai. 2019

Keywords

  • Mitocrítica
  • Peter Pan
  • Infância eterna
  • Simbolismo

Citação