Prevenção do consumo de substâncias em ofensores consumidores

Diana Moreira, Paulo C. Dias

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

A sociedade em geral tem um histórico de estereótipos em relação ao consumo (abusivo) de substâncias psicoativas (SPA), provavelmente por existir uma relação/associação entre este comportamento e as tendências criminais (Bennett & Holloway, 2005). Na verdade, destacam-se três abordagens que justificariam estes receios da sociedade: (i) associação causal direta; (ii) associação causal indireta; (iii) associação não causal (Bennet & Holloway, 2005; Bennett et al., 2008; Hammersley, 2008). A sociedade encara estes consumidores como delinquentes marginalizados, sem perspetivas profissionais ou académicas e completamente alienados das normas coletivas (Reis et al., 2013), alimentando assim a expectativa de que se tratará apenas de uma questão de tempo até que, por exemplo, uma pessoa com dependência de substâncias demonstre comportamentos criminosos ou violentos (González, 2007).
Idioma originalPortuguese
Título da publicação do anfitriãoEcologia(s) das dependências
Subtítulo da publicação do anfitriãoentre a utopia e a limitação
Local da publicaçãoBraga
EditoraAxioma
Páginas117-130
ISBN (eletrónico)9789726973423
ISBN (impresso)9789726973416
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 30 dez 2021

Citação