São Jerónimo, Santo Agostinho e Orósio de Braga perante o ocaso de Roma Aeterna

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Na noite de 24 de Agosto de 410, Roma é tomada de assalto pelos soldados de Alarico; estes semeiam o caos e o terror durante três noites e três dias. O facto abisma os cidadãos do Império e suscita reacções por parte das mais destacadas figuras da época. As investidas das tribos germânicas são cada vez mais fortes; pressente-se a queda de Roma, sem se vislumbrar um futuro claro. Santo Agostinho ensaia a sua primeira interpretação acerca daqueles tempos conturbados em cinco sermões, redigidos entre 410 e 411, sendo o mais conhecido deles De excidio Vrbis. Seguir-se-á De Civitate Dei, composta de 413 a 426. Na Palestina, São Jerónimo interroga-se sobre o significado e implicações do ataque do Rei Godo. As cartas 123 e 127 e o Commentarii in Ezechielem testemunham o choque, a amargura, bem como o pessimismo quanto ao porvir. Vindo de Bracara Augusta, capital da Galécia, tomada pelos Suevos em 409, Orósio contribui para a reflexão. Chega junto de Agostinho em 414 e (enviado pelo Hiponense) junto de Jerónimo em 415. Até 417, elabora a sua Historiae Adversus Paganos, obra amplamente difundida nos séculos seguintes. Nesta comunicação, mostramos o que une e o que afasta os três intérpretes na sua leitura. Estimam a Roma Aeterna; une-os a tristeza perante os factos dramáticos. Distingue-os, no entanto, o entendimento da relação entre Roma e o Cristianismo. Para São Jerónimo, a sobrevivência do Império assume importância vital para a continuidade da religião cristã. Santo Agostinho tem outra leitura; afirma que o Cristianismo continuará após a morte de Roma, independentemente de quando esta acontecer. Orósio, à semelhança de Agostinho, empenha-se em mostrar que a fragilidade de Roma não resulta do abandono do culto aos deuses do panteão tradicional. O Presbítero Bracarense tem por destinatários os pagãos e, embora frise que o Verbo escolheu nascer em Roma, razão pela qual este Império assume particular importância no plano providencial, empenha-se em pôr a claro que a leitura histórica dos acontecimentos depende da posição e da identidade do seu narrador.
Idioma originalPortuguese
Páginas57-57
Número de páginas1
Estado da publicaçãoPublicado - jul. 2021
EventoCongreso Internacional La Escatología Medieval - Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela
Duração: 28 jul. 202130 jul. 2021

Conferência

ConferênciaCongreso Internacional La Escatología Medieval
País/TerritórioSpain
CidadeSantiago de Compostela
Período28/07/2130/07/21

Citação