Sob o desígnio de Mnemosine: a preservação da memória em museus de arte

Maria Isabel Roque

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

O museu define-se como espaço de preservação da memória. Enquanto instituição criada no contexto eurocêntrico de sociedades dominadas por princípios nacionalistas, imperialistas e colonialistas, focava-se no propósito de constituir um repositório patrimonial representativo da arte e da cultura de uma nação ou de um império. Volvidos dois séculos, impõe-se uma reflexão ampla acerca do papel do museu na sociedade pós-moderna, pós-colonial e global. Com um enquadramento teórico assente em estudos que cruzam a museologia, a sociologia e as humanidades digitais, a análise dos impactos do aumento de afluência aos museus e espaços patrimoniais, muito por via do desenvolvimento do turismo de massas e do turismo cultural, e das novas formas de mediação cultural proporcionadas pelas tecnologias da informação e comunicação, pretende contribuir para essa análise acerca da função do museu na contemporaneidade. Como hipótese de partida, sugere-se que a hibridização dos públicos requer a hibridização das narrativas e das estratégias de comunicação, no sentido da disponibilização interativa e personalizada da informação e da construção de experiências imersivas e no pressuposto de que a articulação entre a cognição e a emoção favorece a perceção do sentido dos conteúdos expostos e fundamenta o papel do museu na sociedade.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)7-34
RevistaAcesso Livre
Número de emissão11
Estado da publicaçãoPublished - 2019

Keywords

  • Discurso museológico
  • Mediação cultura
  • Objeto de museu (musealium)

Citação