A infância nos poemas homéricos

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

Enquanto primeiros documentos literários europeus, a Ilíada e a Odisseia asseguram na história cultural do Ocidente um estatuto ímpar: assumindo-se desde a Antiguidade como primeiro fundamento de investigação filológica e filosófica, e superior modelo literário e artístico, e hoje tendencialmente interpretadas no enquadramento de um processo de lenta elaboração criativa de gerações de aedos, a partir de uma peculiar técnica de produção e transmissão, ambas articulam numa enigmática trama poética, a partir da sua natureza tradicional, fios de narrativas míticas e realidades históricas que as modernas investigações arqueológicas não deixam de confirmar. Partindo do pretexto poético oferecido pelas duas obras, propomo-nos rastrear as referências ao
universo da infância. Umas, genéricas, ocorrem como imagens de um
determinado extracto da sociedade humana, marcado por características,
funções e necessidades peculiares. Outras, sustentadas em menções
concretas a crianças determinadas, assumem na trama mítica dos dois
poemas uma específica funcionalidade dramática, que concorre para a
peculiar densidade simbólica da narrativa.
Título traduzido da contribuiçãoThe childhood in the Homeric poems
Idioma originalPortuguese
Número do artigo2
Páginas (de-até)39-60
Número de páginas22
RevistaRomanitas- Revista de Estudos Greco-latinos
Volume16
Estado da publicaçãoPublished - fev 2021

Keywords

  • Homero
  • Ilíada
  • Odisseia
  • Infância
  • Aedos

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “A infância nos poemas homéricos“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação