O Narciso do condestável D. Pedro: aegritudo amoris em metamorfose cortês

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

É no contexto da centena de glosas ilustrativas da sua Sátira de infelice e felice vida , espécie de novela sentimental para instrução e edificação áulica, que D. Pedro de Portugal introduz Narciso, exemplum de como “fermosura com gracia atrahen a bien e leal amar”. Apesar das frequentes alusões e citações das Metamorfoses de Ovídio, o episódio é adaptado ao propósito de sublinhar a aegritudo amoris do autor/narrador às mãos caprichosas de Cupido, encarnado pela insensível dama, a quem o coração tem de servir, mas a razão não pode deixar de criticar. Assim, traços fundamentais do mito e da narrativa ovidiana ficam de fora (o oráculo, a identi- ficação com o reflexo, Eco, a flor), substituídos pela ênfase dada a elementos associados à retó- rica amorosa palaciana, herdeira do Amor Cortês. O emotivo discurso do agonizante Narciso, cuja dimensão contribui para sublinhar o isolamento egotístico do amador, aborda a beleza divina da mulher; o serviço amoroso, esgotante e nunca correspondido; a súplica à piedade e à memória da amada; o sofrimento que culmina na morte. Salvo o inusitado e impossível alvo amoroso, o jovem mítico acaba por ser enquadrado numa galeria intemporal de vítimas mas- culinas do amor que, apesar de correspondidos, se suicidaram ou foram assassinados depois de terem decidido “que mejor es prestamente morir, que largamente padesçer y penar”. A variedade nas fontes (clássicas, como Ovídio e Valério Máximo; e contemporâneas, como Juan Rodríguez del Padrón ou Alonso Fernández de Madrigal), e a peculiar forma de interpretar e adaptar os relatos míticos (evemerista, astronómica, alegórica) demonstram o quanto D. Pedro se identificava com o ponto de vista ainda medieval adoptado pelas elites cultas peninsulares de meados de Quatrocentos, em que avultavam a tendência moralizante da Ínclita Geração e o pré-Humanismo da corte de João II de Castela.
Título traduzido da contribuiçãoThe Narcissus of the constable D. Pedro: aegritudo amoris with a courtly metamorphosis
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)55-68
Número de páginas14
RevistaForma Breve
Número de emissão17
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 21 dez 2021

Keywords

  • Condestável D. Pedro
  • Recepção medieval
  • Narciso
  • Ovídio
  • General estoria
  • Novela sentimental

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “O Narciso do condestável D. Pedro: aegritudo amoris em metamorfose cortês“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação