O crepúsculo do republicanismo militar conservador: José Vicente de Freitas perante a Constituição de 1933

José Miguel Sardica*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

14 Transferências (Pure)

Resumo

No decurso da Ditadura Militar (1926-1933), foi sempre viva a rivalidade entre a alta hierarquia republicana e liberal-conservadora das forças armadas e as novas forças civis autoritárias, católicas e tecnocratas, de que Salazar foi o rosto a partir de 1928. O confronto entre estas duas posições foi bastante visível na questão constitucional, e culminou, no início de 1933, na apresentação, por parte do general José Vicente de Freitas (presidente do ministério em 1928-29), de um contraprojeto constitucional, crítico do projeto constitucional salazarista. O objetivo deste artigo é o de recordar a ação política de Vicente de Freitas na Ditadura Militar e o de explorar as suas posições públicas, em particular o seu manifesto constitucional, demonstrando como a sua derrota perante o salazarismo antiliberal e a institucionalização do Estado Novo significaram o crepúsculo dessa ala de republicanismo militar conservador. Este artigo faz parte do dossier temático Projetos constitucionais fracassados, Portugal e Brasil, século XX, organizado por Paula Borges Santos e Ivo Veiga.
Título traduzido da contribuiçãoThe waning of the military conservative republicanism: José vicente de freitas before the Constitution of 1933
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)17-40
Número de páginas24
RevistaLer Historia
Número de emissão75
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 1 jan. 2019

Keywords

  • José Vicente de Freitas
  • Oliveira Salazar
  • Ditadura militar
  • Forças armadas
  • Republicanismo
  • Constituições

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “O crepúsculo do republicanismo militar conservador: José Vicente de Freitas perante a Constituição de 1933“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação