Things we lost in the fire: EU constitutionalism after Brexit

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Tem-se dito que o Brexit é irreversível. A perspetiva da saída do Reino Unido da União Europeia representa o desafio institucional mais significativo de sempre para o projeto europeu. Neste âmbito, teme-se que a saída represente uma alteração dramática da natureza da integração europeia. Na verdade, o artigo 50.º do TUE é, em regra, considerado uma manifestação emblemática da natureza intergovernamental da cooperação europeia, em contraste com a tendência para uma forma mais perfeita de integração federal. Sem prejuízo, as exatas consequências políticas e jurídicas do Brexit são ainda desconhecidas. Certo que o processo envolve mais do que a perda de um Estado-membro. A crença num projeto sempre crescente, fundado nos chamados efeitos «spill-over», parece comprometida. Não obstante, importa notar que, ao mesmo tempo, o Brexit representa uma oportunidade única para a afirmação dos valores centrais do constitucionalismo europeu. Neste contexto, o propósito deste artigo é refletir na forma como a saída de um Estado-membro reforça a natureza constitucional da União sob a lente da qual tem, necessariamente, de ser entendida e negociada.
Idioma originalEnglish
Páginas (de-até)77-94
Número de páginas18
RevistaCatólica Law Review
Volume2
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 1 jan 2018

Keywords

  • Brexit
  • Artigo 50
  • Saída da UE
  • Constitucionalismo da UE
  • Federalismo
  • Secessão

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Things we lost in the fire: EU constitutionalism after Brexit“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação