Tortura e contaminação em Adaptação do funcionário Ruam (1975)

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

O artigo propõe uma leitura da novela Adaptação do funcionário Ruam, publicada em 1975 por Mauro Chaves, a partir de dois principais eixos: um que inscreve a tortura em ordem semiótica – como teorizado por Isabel Capeloa Gil (2016), e outro que analisa a contaminação proposta pela obra na chave de Foucault (1978; 1999), a partir de suas relações com a loucura e com a disciplina. Através de exemplos de cenas nas quais projeções holográficas, desejos masculinos e castigos físicos ou psicológicos revelam o diálogo da ficção distópica com o contexto brasileiro ditatorial, busca-se uma crítica da literatura como espaço projetivo e de epistemologias alternativas.
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)43-56
Número de páginas14
RevistaRevista de Letras Juçara
Volume5
Número de emissão1
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 30 jul 2021

Keywords

  • Ficção científica brasileira
  • Anos 70
  • Ditadura militar brasileira
  • Literatura distópica
  • representações da violência

Citação