Towards an aesthetic of intimacy. A contribution to the critique of Mikel Dufrenne

Título traduzido da contribuição: Para uma estética da intimidade. Crítica de Mikel Dufrenne

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

Na obra de Mikel Dufrenne, a categoria da intimidade surge quase sempre utilizada para reforçar os atributos da reciprocidade, da amizade cúmplice, da partilha e comunhão de sentimentos que estruturam a relação que se instaura entre o espetador e o objeto estético ou a obra de arte, no âmago da experiência estética. Neste sentido, a intimidade é um conceito reticular, permutável pelo de “profundidade”, “interioridade”, “conaturalidade”. Por isso, a experiência estética é, de certo modo, um zénite de intimidade, um paradigma da “vida íntima”, ou seja, o acontecimento no qual o espetador, o artista e a obra se desnudam e se desvendam, ou seja, onde mutuamente partilham da cúmplice retirada dos véus da ocultação de si. Contudo, contrariamente ao que esta abertura poderia deixar entender, a intimidade que aí se vivencia não designa um evento secreto, nem sequer uma parcela privada da vida oculta dos referidos atores. A intimidade não se coloca no registo do “intimismo”, da afeção particular, ao qual uma certa psicanálise tende a conferir o protagonismo. Uma intimidade que se converta em pretexto ou ocasião de uma função clínica, psicanalítica, não interessa a Mikel Dufrenne na medida em que ela perverte o próprio processo estético. Neste contexto interpretativo, pretendemos, em primeiro lugar, avaliar o alcance do posicionamento teórico da proposta de Mikel Dufrenne acerca do tema da intimidade. Pretendemos, também, mostrar que, preservando-a dos riscos muito frequentes de instrumentalização, a categoria da intimidade fica disponível para contribuir para uma renovação de sentido dos arquitemas fenomenológicos, tais como o da intencionalidade e da constituição. Temos ainda em mente evidenciar de que modo a experiência estética é naturalmente uma relação íntima, conferindo-lhe uma dimensão ontológica desde o seu primeiro momento. Com esta interpretação do tema, muito para lá daquilo que o autor deixou explícito, desejamos contribuir para a justa valorização crítica do pensamento de um dos maiores filósofos da estética - Mikel Dufrenne.
Título traduzido da contribuiçãoPara uma estética da intimidade. Crítica de Mikel Dufrenne
Idioma originalEnglish
Título da publicação do anfitriãoAesthetics, art and intimacy
EditoresCarlos João Correia, Emília Ferreira
Local da publicaçãoLisboa
EditoraUniversidade de Lisboa
Páginas83-96
Edição1
ISBN (impresso)9789898553522
Estado da publicaçãoPublished - 26 mai 2021
EventoIV Iberian Aesthetic Meeting - Lisboa
Duração: 14 dez 201716 dez 2017
Número de conferência: 4

Conferência

ConferênciaIV Iberian Aesthetic Meeting
País/TerritórioPortugal
CidadeLisboa
Período14/12/1716/12/17

Keywords

  • Estética
  • Intimidade
  • Mikel Dufrenne
  • Experiência estética

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Para uma estética da intimidade. Crítica de Mikel Dufrenne“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação