Uomini di zelo, prudenza e sufficiente dottrina. The vicars of the Roman inquisition in the state of the Church (17th, 18th centuries)

Título traduzido da contribuição: “Uomini di zelo, prudenza e sufficiente dottrina”: Os vigários da Inquisição romana no Estado da Igreja (séculos XVII-XVIII)

Andrea Cicerchia*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

1 Transferências (Pure)

Resumo

A partir da segunda metade do século XVI, a Inquisição romana, como as ibéricas, começou a articular a sua presença no território. Um papel fundamental nesta construção foi realizado pelos vigários inquisitoriais, distintos dos diocesanos e ligados à Congregação central e aos inquisidores distritais. Os vigários da Inquisição Romana tinham a tarefa fundamental de elaborar os processos e controlar o território que lhes fora confiado. Um ator inquisitorial que ainda carece de um estudo específico, capaz de enfocar laços institucionais, faculdades e perfis pessoais, dentro de uma sociedade magmática e transversal ao próprio sistema. Este artigo pretende ser um primeiro passo para este estudo, concentrando a sua atenção na realidade inquisitorial do Estado da Igreja, um órgão político-institucional no qual o papa – que presidiu à Inquisição Romana – era soberano e pontífice.
Título traduzido da contribuição “Uomini di zelo, prudenza e sufficiente dottrina”: Os vigários da Inquisição romana no Estado da Igreja (séculos XVII-XVIII)
Idioma originalEnglish
Páginas (de-até)159-177
Número de páginas19
RevistaLusitania Sacra
Volume2017
Número de emissão36
DOIs
Estado da publicaçãoPublished - 1 jul 2017

Keywords

  • Inquisição romana
  • Estado da Igreja
  • Vigários inquisitoriais
  • Território
  • Sociedade

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de ““Uomini di zelo, prudenza e sufficiente dottrina”: Os vigários da Inquisição romana no Estado da Igreja (séculos XVII-XVIII)“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação