Vna aliqua gemma satis ad naturae contemplationem: o olhar original e verosímil de Agripina

Maria José Ferreira Lopes*

*Autor correspondente para este trabalho

Resultado de pesquisarevisão de pares

Resumo

Memórias de Agripina (1993) é uma obra marcada pelos lugares evocados pela mãe de Nero na sua derradeira noite. Os ambientes, naturais ou obra do homem, símbolos de ideias sedutoras. enfeitiçaram‐na, transformaram‐se em paisagens da sua mente e alma e permanecem impregnados da presença dos mortos. O ponto de vista de Agripina é definido pela sua versão da descrição taciteana do horizonte da sua morte: o inlustris céu de opala e cristal revela a sua visão poética, expressa em metáforas de gemas, reflexo do luxus do seu tempo que, segundo Plínio, via nelas o epítome da majestade da natureza.
Título traduzido da contribuiçãoVna aliqua gemma satis ad naturam contemplationem: the original and verisimilar look of Agrippina
Idioma originalPortuguese
Páginas (de-até)91-106
Número de páginas16
RevistaÁgora. Estudos Clássicos em Debate
Volume20
DOIs
Estado da publicaçãoPublicado - 2018

Keywords

  • Memórias de Agripina
  • Plínio
  • O velho
  • Memória
  • Luz
  • Luxus

Impressão digital

Mergulhe nos tópicos de investigação de “Vna aliqua gemma satis ad naturae contemplationem: o olhar original e verosímil de Agripina“. Em conjunto formam uma impressão digital única.

Citação