A narrativa da derrota política nos media portugueses

Tese do aluno

Resumo

A presente tese de doutoramento visa analisar a forma como é construída a narrativa mediática, em torno da figura do derrotado, durante o período de campanha eleitoral. Deste modo, propõe-se uma análise comparativa e inovadora no âmbito da comunicação política e dos estudos dos media, visando observar a narrativa construída sobre os principais candidatos na campanha. Na primeira parte da investigação é realizada uma revisão teórica sobre as várias transformações nas sociedades contemporâneas e democráticas. Nesta componente,assinalamos igualmente a crescente relevância das estruturas mediáticas no contexto atual,através do processo de mediatização. Na área política, a mediatização ganhou relevo, já que os atores políticos adaptaram um conjunto de mudanças internas capazes de modo a responder à afirmação dos meios de comunicação, num objetivo de criação de visibilidade.Neste âmbito, refletimos a relação entre media e política, pressupondo uma interação dinâmica que leva os meios de comunicação a criarem narrativas sobre os candidatos, num elevado intervencionismo através de mecanismos específicos, especialmente no período de campanha eleitoral. Neste sentido, foi construída a seguinte questão de investigação: “Como é construída a narrativa da derrota nos media portugueses durante o período de campanha eleitoral?”. De modo a podermos responder à pergunta inicial, criámos três subquestões de investigação: 1) “Quais são os padrões jornalísticos dominantes nos media generalistas portugueses acerca da campanha eleitoral das legislativas de 2011 e 2015?”; 2) “Qual é o intervencionismo dos media generalistas portugueses nas legislativas?”; 3) “Como é que os media criam representações de candidatos vencedores e derrotados durante a campanha eleitoral nas eleições legislativas de 2011 e 2015?”. Tendo em conta estas questões, utiliza-se uma metodologia mista, através de métodos quantitativos e qualitativos. Por um lado, foi constituído como corpus de análise um conjunto de peças jornalísticas de imprensa (Correio da Manhã, Público, Expresso, Sol,Visão e Sábado), rádio (Antena 1, Rádio Renascença e TSF) e televisão (RTP 1, SIC e TVI),nas eleições legislativas portuguesas de 2011 e 2015, em torno de PS e PSD/PàF, contabilizando um total de 2.370 peças, onde utilizámos a técnica de análise de conteúdo. Por outro lado, foram realizadas 10 entrevistas a jornalistas dos meios em análise, envolvidos na cobertura das mesmas eleições, através da análise temática. De modo geral, conclui-se que os meios de comunicação, na cobertura dos partidosde poder durante a campanha, constroem narrativas de vencedores e perdedores. No período de análise entre nove e dez semanas, assinala-se uma intensificação da representação mediática, através de um discurso interpretativo e centrado num enquadramento relativo a uma elevada competição entre candidatos. Foi também identificada a existência de um crescimento gradual das referências às sondagens nos media, resultando, posteriormente, na construção de cenários pós eleitorais. Perante estes possíveis resultados são criados retratos de vencedores e perdedores que são complementados pela criação de traços sobre a performance dos candidatos, ao longo da cobertura. Foi, igualmente, verificada a existência de um enquadramento visual e sonoro que completa o texto mediático dominante. Apesar da construção de imagens distintas sobre os candidatos, neste estudo assinala-se a existência de tratamento editorial idêntico entre candidaturas.
Data do prémio23 jul. 2021
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorRita Figueiras (Supervisor)

Keywords

  • Derrota
  • Narrativa
  • Mediatização da política
  • Push e pull
  • Intervencionismo dos media
  • Eleições legislativas de 2011 e 2015

Designação

  • Doutoramento em Ciências da Comunicação

Citação

'