As Escolas Europeias de trompa
: reflexos na lecionação

  • Hélder José Rodrigues Vales (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

A trompa sofreu um dos mais extensos caminhos evolutivos de todos os instrumentos musicais. Desde o período em que foi introduzida na orquestra, à época em que o seu formato foi estabelecido, em finais do século XIX, com a invenção da trompa de afinação dupla, muitos foram os trompistas e compositores que se deslumbraram com o instrumento, contribuindo para o incremento e difusão aos vários países europeus. O século XIX ficou também marcado pela movimento nacionalista musical que foi sentido por toda a Europa, afectando os domínios da composição e da performance. Como seria óbvio, esses estilos nacionais foram surgindo na história do instrumento e resultaram em formas de tocar trompa muito contrastantes, facilmente distintivos. Assim, o propósito desta dissertação passa, sobretudo, pela análise do sincronismo entre os ideais performativos e de lecionação manifestos em cada escola e as particularidades compositivas dos principais representantes de composição de cada escola. As escolas de trompa mais influentes e também as mais díspares são as escolas alemã e francesa. As outras escolas- vienense, russa e inglesa- foram, de certa forma, afectadas por uma ou outra escola. Os estilos europeus são tão distintos que facilmente se reconhece as diferenças entre um trompista francês, alemão ou até inglês. Atualmente, essas diferenças têm diminuído um pouco, mas continuam a existir idealistas que defendem determinado estilo nacional.
Data do prémio17 fev 2017
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorAna Sofia Almeida Sá Serra Dawa (Supervisor)

Keywords

  • Escolas Europeias
  • Trompa
  • Reflexos na lecionação

Designação

  • Mestrado em Ensino de Música

Citação

'