Atividades instrumentais da vida diária em pessoas com defeito cognitivo ligeiro
: avaliação baseada no desempenho

  • Catarina Duarte das Fontes Alves Ribeiro (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Introdução: Em países desenvolvidos, o envelhecimento global da população é, cada vez mais, uma preocupação social. Como consequência deste fenómeno, tem existido necessidade de investimento em recursos, estruturas e investigação na área. Várias capacidades cognitivas sofrem alterações com a idade, em alguns casos estas alterações são superiores às esperadas no envelhecimento normal. Assim, é fundamental estudar o declínio da capacidade cognitiva, normal e patológica. Vários estudos têm vindo a explorar o Defeito Cognitivo Ligeiro (DCL). Um critério essencial para este diagnóstico é a manutenção da funcionalidade. Instrumentos como a UPSA têm sido cada vez mais usados como medida de funcionalidade baseada no desempenho. Este trabalho procura investigar, numa amostra da população com DCL, se a presença da variável sintomatologia depressiva, tem um impacto negativo na funcionalidade. Secundariamente, pretende-se verificar a influência da memória e das funções executivas na funcionalidade da mesma amostra. Metodologia: A amostra foi composta por 34 sujeitos com DCL com idades compreendidas entre os 65 e os 89 anos. Para a recolha de dados, foram utilizados os seguintes instrumentos: um questionário socio demográfico, provas selecionadas que avaliam os domínios da Memória e Funções Executivas na Bateria de Lisboa para Avaliação de Demências (BLAD), a Escala de Depressão Geriátrica (GDS-15) e a UCSD Performance-Based Skills Assessment (UPSA). Resultados: Os resultados não evidenciaram uma correlação significativa entre sintomatologia depressiva (GDS-15) e o desempenho na prova de funcionalidade (UPSA). Verificou-se ainda que, a variável com maior poder preditivo de desempenho na funcionalidade foi a memória a curto prazo, avaliada pela prova “Memória Verbal com Interferência”, da BLAD. Conclusão: Os resultados obtidos não mostraram uma correlação significativa entre funcionalidade e sintomatologia depressiva, não corroborando os resultados verificados na maioria de outros estudos encontrados na literatura. Numa segunda análise, os resultados mostraram que a memória de curto prazo mostrou maior poder preditivo de desempenho na funcionalidade, o que não está de acordo com os resultados obtidos noutros estudos que referem que as funções executivas poderão ter mais influência no desempenho das AIVD e ABVD.
Data do prémio23 abr 2021
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorFilipa Ribeiro (Supervisor)

Keywords

  • Defeito cognitivo ligeiro
  • Funcionalidade
  • Sintomatologia depressiva
  • Medidas baseadas no desempenho

Designação

  • Mestrado em Neuropsicologia

Citação

'