Coping e stress em agentes da polícia de segurança pública

  • Maria Belén Astorgano Llamedo (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Os polícias são frequentemente expostos a situações imprevisíveis e potencialmente traumáticas, que podem repercutir-se na sua saúde mental. Considerando o possível impacto da exposição contínua a stressores, o presente estudo teve como objetivo caracterizar o stress em 41 participantes da Polícia de Segurança Pública. Pretendeu-se perceber se a antiguidade no serviço e a vulnerabilidade ao stress se associavam com uma maior propensão para adotar um coping desadaptativo bem como com maior stress percecionado. Para tal, foi utilizado um desenho correlacional e instrumentos de autorrelato que permitiram avaliar a vulnerabilidade, (Questionário de Vulnerabilidade ao Stress 23-QVS), stress percebido (Perceived Stress Scale PSS-10) e estilos de coping (Brief COPE). Os resultados apresentaram correlação negativa entre a antiguidade no serviço e menor tendência de adoção de coping adaptativo. Contudo, a relação entre antiguidade e stress percebido não foi detetada. Observou-se também que quanto maior a vulnerabilidade reportada, maior a propensão para adotar um estilo de coping desadaptativo, assim como maior o nível de stress percebido. Pretende-se que estes resultados possam impulsionar o aumento da literacia de saúde mental neste contexto, através da criação de programas que visem a melhoria de bem-estar e performance destes profissionais.
Data do prémio13 jul 2022
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorPatrícia Oliveira-Silva (Supervisor) & Diana Cristina Rodrigues Pereira (Co-Orientador)

Keywords

  • Polícia
  • Antiguidade
  • Vulnerabilidade ao stress
  • Coping desadaptativo
  • Stress

Designação

  • Mestrado em Psicologia

Citação

'