Culturas colaborativas e lideranças pedagógicas : da teoria à prática
: constrangimentos organizacionais, dilemas profissionais e horizontes de possibilidades

  • Generosa Pinto Silva Vilela Pinheiro (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

O estudo de uma realidade tão complexa como a escola deve assentar numa visão holística e articuladora das suas diferentes racionalidades e da sua multiplicidade de atores. Num momento de viragem de paradigma ao nível da administração central, em que o discurso da autonomia tem vindo, ao longo dos últimos anos, a deixar algumas marcas na gestão escolar, é importante percecionar cada mudança de uma forma coerente e integradora. Assim, se pretendemos perceber melhor a maneira como os modos de trabalho dos professores têm vindo, paulatinamente, a mudar, é conveniente que compreendamos o percurso de mudança da administração e gestão escolar, a(s) cultura(s) de escola que marcam o espaço em que os professores exercem a sua atividade e a influência das lideranças, nomeadamente as intermédias, na forma como desenvolvem o seu trabalho não só em sala de aula, mas sobretudo com os colegas. Para percebermos a forma como a colaboração e as lideranças podem estar ao serviço de um professor colaborativo e reflexivo, procurámos adotar um modelo de investigação humanista-interpretativo, ou seja, uma investigação naturalista, conjugando uma abordagem quantitativa e qualitativa. Para caracterizarmos a(s) cultura(s) da escola, com base na análise da frequência, da abrangência e da amplitude das diferentes interações realizadas entre os docentes, usámos processos de análise de dados baseados na linguagem estatística. Por outro lado, para aprofundarmos alguns contextos singulares e as perspetivas de atores individuais, optámos por uma abordagem qualitativa. Feita a análise de todos os dados, concluímos que, embora se note da parte de todos os atores escolares uma vontade para instituir a inovação e a mudança, revelada através da implementação de diferentes dinâmicas colaborativas, esta mudança tem sido muito lenta e ténue. Parece-nos que a sua implementação está a ser coartada por estrangulamentos estruturais, pela falta de saber fazer e pela fragmentação, balcanização e individualismo que estão inscritos na história da organização escolar e do corpo docente, apresentando raízes na arquitetura das escolas e na sua organização secular em salas de aulas, turmas autónomas com horários e professores fixos.
Data do prémio25 fev 2021
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorJosé Matias Alves (Supervisor)

Keywords

  • Trabalho colaborativo
  • Liderança pedagógica
  • Profissionalismo interativo
  • Comunidades de aprendizagem
  • Equipas educativas

Designação

  • Mestrado em Ciências da Educação

Citação

'